Aromaterapia no tratamento do Alzheimer

A aromaterapia é uma prática milenar que utiliza óleos naturais, extraídos de flores, raízes, folhas, sementes, ervas, madeiras e resinas, para a prevenção e tratamento de doenças físicas e psicológicas.

O médico egípcio Imhotep recomendava o uso de óleos com fragrâncias no banho, nas massagens e no embalsamento dos mortos. O pai da medicina moderna, Hipócrates, seguiu os mesmos princípios. Contudo, com o declínio do Império Romano estes conhecimentos foram, em grande parte, perdidos.

Foi apenas no século XIX que cientistas europeus decidiram dedicar-se ao estudo dos efeitos destes óleos essenciais no homem. A palavra “aromaterapia” é uma invenção do químico francês René Maurice Gattefosse que, em 1910, descobriu os poderes curativos do óleo de lavanda quando se queimou no seu laboratório de perfumes e, procurando um alívio imediato, mergulhou a mão num recipiente com óleo de lavanda. O alívio da dor foi imediata e o processo de cicatrização rápido, indolor e sem marcas posteriores. 

Quando inalamos óleos essenciais, as células olfativas são estimuladas e esse impulso é encaminhado para o sistema límbico – o centro emocional do cérebro – ligado à memória, à respiração, à circulação sanguínea e aos hormônios.

Jimbo e colaboradores (2009) publicaram pesquisa em que testaram o efeito do uso de óleos de limão e alecrim em idosos com demência. O declínio da memória foi atenuado.

Outro estudo utilizou o óleo essencial de melissa em pacientes com declínio cognitivo grave. O óleo foi misturado a uma loção corporal e aplicado nos braços e rostos dos pacientes. Após 4 semanas de uso foi verificado redução de agitação e agressividade. Também houve melhoria da socialização (Ballard et al., 2002). Os achados são importantes pois o tratamento com medicamentos reduzem a agitação sem melhorar a socialização.

Por falar em aromas, um estudo mostrou que a dificuldade em sentir os aromas pode ser um dos primeiros sinais do Alzheimer (Kesslak et al., 1988; Morgan, Nordin e Murphy, 1995). Parece que pacientes com Alzheimer possuem menor função na narina esquerda do que na direita. Doty e colaboradores (2014) tentaram replicar o estudo sem sucesso. Por isto, mais pesquisas sobre os testes olfatórios fazem-se necessárias nesta área.

Conheça também meu canal no YouTube.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!