Importância da alimentação para a saúde mental

Mais e mais estudos mostram a importância da alimentação adequada para a saúde mental. Série especial sobre a temática foi publicada em novembro de 2016 na revista da associação americana de psicologia. Décadas de pesquisa mostram a importância da alimentação apropriada na inflamação cerebral, estresse e processos fisiológicos ligados à saúde mental.  O conjunto de 5 artigos publicados mostra a diversidade de estudos conduzidos neste novo campo interdisciplinar entre a psicologia e a nutrição. 

  • Estudo com mais de 11.800 pessoas mostra que a dieta mediterrânea - rica em frutas, verduras, gorduras boas, castanhas e peixes, pobre em laticínios, carne vermelha e açúcar está associada a menor risco de depressão (Sanchéz-Villegas et al., 2016). 
  • Jane Pei-Chen Chang e colaboradores (2016) focam a pesquisa nos transtornos de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) . Crianças com TDAH parecem possuir menores níveis de ômega-3 circulante. As melhores fontes de ômega-3 são os peixes de água fria como salmão, atum e sardinha. Apesar de alimentos de origem vegetal como algas e linhaça possuírem ômega-3, este ainda precisa ser convertido na sua forma ativa para o cérebro (DHA). Estudos focam na forma como crianças TDAH metabolizam o ômega-3 de forma diferenciada.
  • Jerome Sarris e colaboradores (2016) examinaram os efeitos do tratamentos com o aminoácido N-acetil-cisteína (NAC)  no transtorno obsessivo-compulsivo. O NAC reduz a inflamação cerebral e em pacientes jovens possuem um benefício real na redução de sintomas como a depressão.
  • Lothian, Blampied e Rucklidge (2016) exploraram o papel de vitaminas e minerais no tratamento da insônia, condição associada a uma variedade de problemas mentais. Com a suplementação de micronutrientes selecionados foram observadas melhorias no humor e na ansiedade. Mais artigos sobre ansiedade publicados anteriormente neste blog podem ser acessados aqui.
  • Por fim Akbaraly e colaboradores (2016) examinaram a relação entre a dieta e sintomas associados à depressão em 4.246 adultos por um período de 5 anos. Os pesquisadores observaram que uma dieta com alto índice inflamatório esteve associado a mais sintomas depressivos, principalmente em mulheres. Mais artigos sobre alimentação publicados anteriormente neste blog podem ser acessados aqui.
  • fAltou falarem da relação entre o funcionamento intestinal e a neuroinflamação mas você poderá ler sobre assunto neste post publicado aqui do blog.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar este blog.