Alimentação consciente para crianças

Crianças pequenas possuem uma sabedoria interior para se alimentar. Elas não sabem o que é carboidrato, proteína, lipídio ou caloria. Gluten? Nunca ouviram falar. Mas elas sabem o quanto comer, sabem também quando parar de comer. Simplesmente seguem as orientações do próprio corpo. Choram quando estão com fome, rejeitam comidas que não agradam. Já adultos deixam de comer mesmos estando com fome, seja porque estão sem tempo, sejam porque querem emagrecer. Por outro lado, adultos também comem sem fome e comem até sem gostar do que estão comendo, simplesmente para não "fazer desfeita"...

O problema é que as crianças imitam os adultos e com o passar do tempo comem doces até ficar com dor de barriga, rejeitam os mesmos alimentos que os pais não comem (como frutas e verduras), desenvolvem preferências baseadas no aprendizado familiar. Muita mãe me liga desesperado: "meu filho não quer comer hoje". Em geral, não há motivo para se descabelar. Ele comerá bem amanhã e no final da semana tudo dará certo. Empurrar comida nas crianças é o primeiro passo para que deixem de comer em resposta à fome. Aos 5 anos, crianças que são subornadas à mesa ("se não almoçar tudo, não vai poder brincar, assistir tv, comer a sobremesa etc...") devoram tudo, mesmo sem necessidade.

Mas os pais podem comer de forma mais consciente, a família pode comer de forma mais consciente e pode ensinar técnicas de alimentação consciente para crianças de todas as idades:

(1)   Faça pelo menos uma refeição por dia com seus filhos, à mesa, de forma descontraída e alegre. Ansiedade e alimentação não são uma boa combinação. Comer de forma relaxada e tranquila são ótimas combinações.

(2)   Deixe as crianças ajudarem na escolha e preparo dos alimentos. Converse sobre o alimento escolhido. De onde ele veio, onde foi plantado, quem o trouxe até o supermercado, como chegou até vocês. Qual é a importância da água, da chuva, do sol, do ar nisso tudo? 

(3)   Experimente coisas novas usando todos os sentidos. Qual é o formato do brócolis, como o que ele se parece, qual é a sensação dessa mini-árvore em nossas mãos, qual é a sua cor, seu cheiro, seu sabor. A experimentação permite a descoberta de um grande mundo de possibilidades.

(4)   Explique o benefício de determinados alimentos para a saúde.

(5)   Evite falar em calorias e em dietas. Meninas expostas a este mundo possuem um maior risco de desenvolvimento de desordens alimentares precocemente. Não seja tão rígido, principalmente em festas e ocasiões especiais.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!