Dieta rica em metionina aumenta o risco de Alzheimer

A metionina é um aminoácido, constituinte de proteínas, cujos níveis são altos principalmente em alimentos de origem animal, como as carnes. Quando os níveis de metionina estão muito altos o corpo tenta se proteger transformando-a em outro aminoácido denominado homocisteína. O problema é que estudos prévios já haviam demonstrado que altos níveis de homocisteína aumentam o risco de doenças cardiovasculares e demência.

Para testar a hipótese de que altos níveis de homocisteína afeta o o funcionamento do sistema nervoso, camundongos de 15 meses (o equivalente aos 70 anos de idade humanos) foram alimentados durante 7 meses com uma dieta rica em homocisteína. O grupo de ratos que consumiu a dieta rica em metionina, teve as concentrações de homocisteína muito aumentadas. Além disso houve uma deposição 40% maior de placa amilóide no cérebro, uma medida para o grau no qual a doença de Alzheimer evoluiu. Os pesquisadores também observaram uma menor capacidade de aprendizado e de ganho de novas habilidades nos camundongos com dietas ricas em metionina.

É importante salientar que a metionina é um aminoácido essencial ao organismo e que retirá-la da dieta não irá prevenir a doença, porém o consumo exagerado de carnes poderá acelerar o processo de envelhecimento do sistema nervoso. Por isto, não abuse, a dieta equilibrada é a chave para a prevenção desta e de muitas outras condições associadas com a idade.

Artigo: 

J.-M. Zhuo, D. Pratico.  Normalization of hyperhomocysteinemia improves cognitive deficits and ameliorates brain amyloidosis of a transgenic mouse model of Alzheimer's diseaseThe FASEB Journal, 2010.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Importante - Agrotóxicos

Esta aberta a consulta pública sobre a reavaliação toxicológica de agrotóxicos no Brasil. Para se manifestar não é necessária formação específica, vínculo institucional ou qualquer outro requisito. Basta enviar para os contatos abaixo sua posição exigindo do Poder Público seu direito a alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos (algumas organizações já se manifestaram e seus documentos (links abaixo) podem ser aproveitados, se houver interesse). A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA está propondo o banimento ou a restrição severa de diversos agrotóxicos, baseados em estudos científicos que demonstram seus danos à saúde. É claro que os interesses econômicos em jogo são pesados, e muitos pressionam para impedir que a Agência atue em defesa da saúde da população. Então, para que o interesse da sociedade prevaleça sobre o da indústria, é muito importante que os cidadãos e organizações manifestem apoio à reavaliação e ao banimento desses venenos. IMPORTANTE: O prazo das manifestações às consultas públicas do endosulfan e do acefato se encerra dia 20 de dezembro.
Consulta Pública 90 – Fosmete: Inseticida que apresenta características neurotóxicas (danos ao sistema nervoso), sendo capaz de provocar a síndrome intermediária .
Consulta Pública 89 – Metamidofós: Inseticida proibido em diversos países. Apresenta características neurotóxicas, imunotóxicas e provoca toxicidade sobre o sistema endócrino (desregulação hormonal), reprodutor e desenvolvimento embriofetal .
Consulta Pública 88 – Triclorfom: Inseticida que apresenta características genotóxicas (alterações genéticas), imunotóxicas, teratogênicas, neurotóxicas, provocando hipoplasia cerebelar, provoca efeitos adversos sobre a reprodução e o sistema endócrino.
Consulta Pública 61 – Endossulfam: Acaricida proibido em diversos países. Apresenta características genotóxicas, neurotóxicas, danos ao sistema imunológico e provoca toxicidade endócrina ou alteração hormonal e toxicidade reprodutiva e malformações embriofetais.
Consulta Pública 60 – Acefato: Inseticida proibido em diversos países. Possui características genotóxicas, pode causar câncer e leva a distúrbios neuropsiquiátricos e cognitivos (dificuldades de aprendizagem).
As manifestações devem ser encaminhadas por escrito para o seguinte endereço: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, SIA, Trecho 5, Area Especial 57, Lote 200, Brasília, DF, CEP 71.205.050 ou Fax: (061)3462-5726 ou E-mail:toxicologia@anvisa.gov.br
Manifestação do Idec: http://pratoslimpos.org.br/?p=601
Manifestação da Terra de Direitos: http://tinyurl.com/terradedireitos
As notas técnicas produzidas pela Anvisa estão na internet:http://tinyurl.com/anvisa
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Controle de peso na adolescência

Estudos recentes mostram que 70% dos adolescentes obesos se tornam adultos obesos. Afim de diminuir este percentual muitas pesquisas vem sendo feito a respeito das melhores estratégias para reduzir o excesso de peso na juventude. Em publicação deste mês da associação americana de nutricionistas, 130 adolescentes obesos foram divididos em 4 grupos de acordo com seus hábitos recentes em busca de um corpo mais magro.

- O primeiro grupo incluiu o grupo de adolescentes que consumiu menos calorias, se exercitou mais, diminuiu o consumo de fast food, alimentos ricos em gordura e refrigerantes, consumiu mais água, frutas e verduras, se pesavam com frequência.

- O segundo grupo incluiu os adolescentes que utilizavam laxativos, purgação (vômitos), diuréticos, fumavam ou jejuavam.

- O terceiro grupo foi o de indivíduos que utilizavam suplementos líquidos (shakes), dietas de proteína (Atkins).

- O quarto grupo tinha comportamentos estruturados como contar calorias, anotar os alimentos consumidos ou fazer acompanhamento com um profissional.

Os adolescentes que obtiveram sucesso no tratamento foram aqueles que praticaram atividade física, reduziram o consumo de refrigerantes, andaram mais ou subiram escadas e se pesavam. Em geral, os adolescentes que emagreceram mais foram aqueles que utilizaram uma combinação de 6 ou mais estratégias de controle de peso. O segundo e o terceiro grupos foram os que perderam menos peso. O grupo que perdeu mais peso foi o primeiro, seguido do quarto.

Ou seja, não existem soluções mágicas, e a velha fórmula com mais atividade física, mais frutas e verduras, menos gordura e alimentos pouco nutritivos é a que oferece maiores chances de sucesso.

O artigo “Weight control strategies of overweight adolescents who successfully lost weight”, dos nutricionistas Kerri N. Boutelle, Heather Libbey, Dianne Neumark-Sztainer, e Mary Story, foi publicado no Journal of the American Dietetic Association, Volume 109, n. 12 (dezembro 2009).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Cantina saudável


Um estudo americano mostrou o óbvio: quando as escolas fornecem alimentos mais saudáveis as crianças comem melhor. A dúvida era se não comendo em casa as crianças comeriam mais alimentos de baixo valor nutricional em casa. O legal foi que isto não aconteceu. Comendo frutas na escola levou a um aumento do consumo também em casa. O Brasil possui legislação que regula o tipo de alimento que pode ser vendido nas cantinas, porém ainda observa-se uma grande oferta de sorvetes, balas, chocolates, salgadinhos e refrigerantes em boa parte das escolas, principalmente nas particulares. Além disso, ainda observa-se a necessidade de modificação no cardápio das escolas públicas. Algumas possuem hortas e parcerias com produtores locais porém ainda encontramos preparações pouco nutritivas como cachorro quente e arroz com salsicha e outras

Para ler o estudo:

Schwartz et al. The Impact of Removing Snacks of Low Nutritional Value From Middle Schools. Health Education & Behavior, 2009; 36 (6): 999.

Fonte da imagem: http://www.cm.iparenting.com/fc/editor_files/images/1042/ipgraphics/kidsfood/kfo093.jpg

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!