O consumo de ovos contribui pouco para as doenças cardiovasculares

Estudo recentemente publicado no Risk Analysis(1) estima que o consumo de 1 ovo ao dia é responsável por menos de 1% das doenças coronarianas em adultos saudáveis. Já a má alimentação (com baixo consumo de frutas e verduras), tabagismo, obesidade e sedentarismo contribuem com até 40% dos casos, dependendo do sexo. Genética e hipertensão e diabetes contribuem, algums vezes, com mais de 60% dos casos. O ovo, por sua vez, é sim rico em colesterol porém associado a uma dieta com pouco carboidrato é capaz de elevar os níveis de HDL (o "colesterol bom"). Os ovos também são fonte de 13 vitaminas e minerais essenciais, de proteína e de colina. Esta última é um nutriente associado à redução da homocisteína no sangue. Sabe-se que a homocisteína é um indicativo de inflamação crônica, condição associada às doenças cardiovasculares, ao mal de Alzheimer e à demência. Mas lembre-se: não vale fritar os ovos já que a alta temperatura leva ao aquecimento das gorduras com a perda de muitas de suas propriedades benéficas. Além disso nunca reaproveite o óleo utilizado anteriormente em outro preparo já que neste caso há um aumento da produção de acroleína, substância cancerígena

Para saber mais: Barraj, et al. A comparison of egg consumption with other modifiable coronary heart disease lifestyle risk factors: A relative risk apportionment study. Risk Analysis. Published online November 4, 2008.

Outros artigos deste ano sobre os benefícios dos ovos:

- Mutungi, G et al. Dietary cholesterol from eggs increases plasma HDL cholesterol in overweight men consuming a carbohydrate restricted diet. J Nutr. 2008; 138:272-276.

- Vanderwal JS et al , et al. Egg breakfast enhances weight loss. Int J of Obesity, published online on August 5, 2008.

- Detopoulou, Paraskevi et al. Dietary choline and betaine intakes in relation to concentrations of inflammatory markers in healthy adults: the ATTICA study. AJCN 2008; 87:424-430.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags ,

Combinações perigosas entre medicamentos e suplementos

De acordo com uma nova pesquisa, pelo menos 2 milhões de idosos, apenas nos EUA, vem tomando uma combinação de drogas ou suplementos que pode ser arriscada. Idosos são mais vulneráveis aos efeitos colaterais e às interações medicamentosas por isto é importante ter em mente que apesar de alguns medicamentos e suplementos poderem ser adquiridos sem prescrição médica ou nutricional, isto não significa que são inofensivos. Aliás, virtualmente qualquer medicamento pode ter efeitos colaterais, as combinações então nem se falam...

A warfarina, por exemplo, um potente anticoagulante é frequentemente utilizado em combinação com a aspirina. Ambos aumentam o risco de sangramento e combinados o risco é ainda maior. O rico também está aumentado quando a warfarina é tomada juntamente à cápsulas de alho (também utilizadas na prevenção de tromboses).

Outras combinações desastrosas:

  • Aspirin + ginkgo biloba: aumentam a chance de sangramento excessivo;
  • Lisinopril (antihipertensivo) + suplementos contendo potássio: possível arritmia;
  • Estatinas (para redução do colesterol) + suplementos da vitamina niacina: danos musculares.

No site https://www.consumermedsafety.org/medsafetyalert.asp qualquer paciente pode consultar as possíveis interações entre seus medicamentos e suplementos.

Fonte da notícia: http://www.msnbc.msn.com/id/28368285/

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Hortaliças

Hortaliça é tudo o que vem da horta. Inclui raízes, tubérculos, caules, folhas, flores, frutos e sementes, sendo popularmente conhecidas como legumes e verduras. As mesmas são fontes de várias vitaminas e minerais, substâncias bioativas e fibras. Possuem um efeito alcalinizante sistêmico muito importante evitando doenças e neutralizando as substâncias ácidas produzidas pelo estresse e consumo de açúcar, refrigerantes, massas e carnes.

Como os folhosos murcham e ficam amarelados rapidamente o ideal seria consumí-los no dia da colheita. Como isto não é possível para a maioria das pessoas, láve-as quando chegar em casa, seque-as e armazene em um recipiente com tampa, no gavetão da geladeira. Hortaliças em temperatura ambiente perdem muitas vitaminas, com excessao da batata. As hortaliças podem ser muito bem aproveitadas, talos e cascas são partes nutritivas, mas lave-as bem.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Propriedades anti-cancerígenas do azeite de oliva extra-virgem

Azeite extra-virgem de boa qualidade (aquele extraído por prensagem, sem adição de calor e angentes químicos de tratamento) contém fitoquímicos que levam à morte das células cancerígenas e decorrência da supressão do gene HER2. Esta é a conclusão de uma pesquisa publicada no BMC Cancer.

Os autores do estudo advertem porém que as dosagens utilizadas no estudo não são usuais na dieta humana, que deve ser complementada com outros bons hábitos como maior consumo de frutas e verduras, baixo consumo de bebidas alcoólicas e prática regular de atividade física.

Para saber mais: Javier A Menendez, Alejandro Vazquez-Martin, Rocio Garcia-Villalba, Alegria Carrasco-Pancorbo, Cristina Oliveras-Ferraros, Alberto Fernandez-Gutierrez and Antonio Segura-Carretero. Anti-HER2 (erbB-2) oncogene effects of phenolic compounds directly isolated from commercial Extra-Virgin Olive Oil (EVOO).

BMC Cancer (in press).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Óleo de peixe protege contra doenças cardiovasculares mas não melhora arritmias

O consumo regular (2 a 4 vezes por semana) de óleo de peixe realmente previne doenças do coração porém os últimos estudos não mostraram evidências de que as arritmias ou casos de morte súbita podem ser controlados ou melhorados com o uso dos suplementos. De acordo com estudo e editorial publicados ontem (24/12/08) no bmj outros estudos fazem-se necessários afim de aprofundar o conhecimento nesta área, ainda um pouco negligenciada pelos pesquisadores.

O consumo de óleo de peixe tem sido recomendado à pacientes que tiveram ataques cardíacos já que alguns estudos mostram um potencial para a prevenção de novos episódios porém pesquisas de melhor qualidade são urgentes afim de esclarecer as dúvidas dos próprios cientistas, médicos e nutricionistas.

Para saber mais:

Artigo:Effect of fish oil on arrythmias and mortality: systematic review.

Editorial:Fish oil and secondary prevention of cardiovascular disease.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Óleo de peixe protege contra doenças cardiovasculares mas não melhora arritmias

O consumo regular (2 a 4 vezes por semana) de óleo de peixe realmente previne doenças do coração porém os últimos estudos não mostraram evidências de que as arritmias ou casos de morte súbita podem ser controlados ou melhorados com o uso dos suplementos. De acordo com estudo e editorial publicados ontem (24/12/08) no bmj outros estudos fazem-se necessários afim de aprofundar o conhecimento nesta área, ainda um pouco negligenciada pelos pesquisadores. O consumo de óleo de peixe tem sido recomendado à pacientes que tiveram ataques cardíacos já que alguns estudos mostram um potencial para a prevenção de novos episódios porém pesquisas de melhor qualidade são urgentes afim de esclarecer as dúvidas dos próprios cientistas, médicos e nutricionistas.

Para saber mais:

Artigo:Effect of fish oil on arrythmias and mortality: systematic review.

Editorial:Fish oil and secondary prevention of cardiovascular disease.

Indivíduos com síndrome de Down, autismo, gestantes, lactantes e veganos devem considerar a suplementação contínua de Ômega-3. Busque mais sobre este assunto neste blog.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!