Disbiose intestinal no autismo

A disbiose intestinal é mais comum em pessoas com transtornos do espectro do autismo resultando na maior produção de compostos tóxicos que alteram o comportamento (Kushak et al., 2017). O termo disbiose se refere a um desequilíbrio na flora intestinal, com grande proliferação de microrganismos potencialmente patogênicos. Como alguns alimentos podem perpetuar a disbiose e a inflamação intestinal. Alguns alimentos podem perpetuar a disbiose e, por isto, podem precisar ser excluídos. Estudos mostram que a eliminação do glúten e de laticínios melhora a permeabilidade intestinal, reduz a inflamação e contribui para melhor bem estar (Elder et al., 2006; Lau et al., 2013).  Com isto, o efeito de outras terapias é melhor.

Saiba mais no curso: nutrição e suplementação no autismo

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar este blog.
Tags