Tratamento integrativo da inflamação do intestino grosso (colite)

A colite é uma inflamação no intestino grosso que pode causar dor abdominal e diarreia. O tratamento é proposto pelo gatroenterologista a partir da investigação da possível causa do problema, como infecções, problemas autoimunes, hábitos alimentares inadequados, doenças inflamatórias intestinais, estresse ou  mutações do gene TLR5 (Vijay-Kumar et al., 2010).

Dependendo da causa do problema medicamentos como antibióticos, aminossalicilatos, sulfassalazina, corticosteróides, imunomoduladores, ciclosporina, bloqueadores do fator de necrose tumoral poderão ser indicados pelo médico. O importante é seguir as orientações para que a doença não evolua. Em situações graves a cirurgia para remoção de parte do cólon (intestino grosso) poderá ser recomendada. 

A alimentação deverá ter características antiinflamatórias. Em geral glúten, laticínios, alimentos ultraprocessados, álcool, café e bebidas com cafeína, refrigerantes e frituras são excluídos da dieta. O nutricionista clínico fará a prescrição de alimentos de fácil digestão em uma dieta bem fracionada. Não esqueça-se também da adequada hidratação, especialmente se estiver com diarreia. Em casos de má absorção intestinal suplementos multivitamínicos e minerais também serão indicados para redução do risco de carências nutricionais.

Um outro suplemento que poderá ser indicado é a curcumina, flavonóide presente no açafrão, especiaria indiana, muito utilizada nas práticas ayurvédicas.  Um estudo publicado no jornal científico Oncogene mostrou as potentes ações antiinflamatórias da curcumina, ainda maiores do que as de medicamentos como aspirina e ibuprofeno.

Por fim, é importante adotar estratégias para a redução do estresse como yoga e meditação. Pesquisa publicada em 2017 por Cramer e colaboradores mostrou que a prática de yoga melhorou a qualidade de vida de praticantes com colite ulcerativa. A colite atinge especialmente o reto e pode destruir a mucosa do cólon formando abscessos, úlceras e fístulas. 

Secreção purulenta, diarréia com ou sem sangue e muco são comuns nos quadros de inflamação que se agravam reduzindo o calibre e o comprimento do cólon desencadeando cólicas e aumento da necessidade de evacuar.

Screen Shot 2017-09-26 at 8.41.58 AM.png

Conforme a intensidade da diarréia pode acontecer desidratação e o desequilíbrio eletrolítico, devido à má absorção de água e sódio. Estes eventos também podem ser acompanhados por cólicas, náuseas e vômitos, aftas orais e consequente perda de peso.

Com o aumento do estresse na vida moderna a incidência da doença tem também aumentado. Desta forma, estratégias integrativas que visem à melhoria do estado nutricional, redução da inflamação e diminuição do estresse são importantes.

Saiba mais nos cursos online, com Dra. Andreia Torres: andreiatorres.com.br

Deixe seu comentário.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!