Celulite em crianças e adolescentes

O estilo de vida moderno trouxe muitos benefícios a todos. Por outro lados, crianças e adolescentes passam cada vez mais tempo sentados, na escola, em frente à TV, no computador ou acessando smartphones e tablets. Associada à grande inatividade física está o consumo de alimentos cada vez mais processados. Com isto, o excesso de peso, o diabetes e a hipertensão manifestam-se cada vez mais cedo. Não raro, dermatologistas recebem cada vez mais jovens com queixas de celulite. Os hormônios femininos facilitam a retenção de líquidos e o aumento de tecido gorduroso. Assim, as mães devem ficar atentas para garantir aos filhos uma alimentação nutritiva e saudável, a prática moderada de exercícios e instruí-los a usarem roupas confortáveis. Também é importante o acompanhamento médico periódico, inclusive com a dosagem hormonal, além da pesquisa quanto à resistência insulínica e ovários policísticos.

O acompanhamento nutricional também é recomendado. Durante a consulta o nutricionista irá avaliar a ingestão alimentar, fará a avaliação clínica e antropométrica e pesquisará sinais e sintomas relacionados à disbiose intestinal, que podem agravar o quadro. Alguns nutrientes e compostos dos alimentos merecem atenção:

O silício participa da composição da elastina, colágeno, proteoglicanos e glicoproteínas que dão estrutura às células. Melhora a microcirculação das células. O teor tende a diminuir com a idade. Por isto, pessoas mais velhas tendem a ter mais celulite que pessoas mais jovens. O silício está presente em frutas (maçã, laranja, manga, banana), legumes (repolho cru, cenoura, cebola, pepino, abóbora), oleaginosas (amendoim, amêndoas), cereais (aveia, soja) e em peixes.

O selênio participa formação da glutationa, uma enzima que protege as células contra radicais livres, mantendo-as mais saudáveis. O selênio também protege a pele contra a toxicidade provocada por metais pesados como mercúrio, cádmio e prata. A melhor fonte de selênio é a castanha do Brasil.

Os carotenóides presentes em vegetais e frutas amareladas e alaranjadas são compostos antioxidantes e que estimulam a comunicação e destoxificação celular além de melhorar a resposta imunológica. Vitamina E (abacate, azeite de oliva) e vitamina C (frutas cítricas e vegetais como tomate e pimentão) também são antioxidantes potentes melhorando a saúde da pele. Os vegetais das famílias das brássicas (brócolis, couve, couve-flor, couve de bruxelas, repolho) contém substâncias que facilitam também a destoxificação, a eliminação de toxinas. Já o chá verde é fonte de catequinas também antioxidantes e que facilitam a destoxificação. Gengibre, pimenta e canela também tem sido investigados por propriedades similares. Por fim, hidratação e consumo adequado de fibras são muito importantes para a adequado funcionamento intestinal.

Resumindo, o tratamento dietético foca na redução do tecido adiposo, na regularização do trânsito intestinal, na redução da retenção hídrica e da inflamação celular. Reduzir alimentos industrializados e aumentar o consumo de alimentos fontes de substâncias antioxidantes e antiinflamatórias é muito importante. Como sempre, a dieta balanceada e adequada à idade é a chave.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!