Renoir - o artista e a artrite

Andreé

Andreé

Assisti na semana passada o filme Renoir, que retrata parte da vida de um dos maiores pintores da história. O filme se passa em 1915, durante a primeira guerra mundial. Nesta época Renoir encontra e pinta uma de suas musas inspiradoras, Andreé. Mas o que me chamou atenção no filme foi a dificuldade do pintor para exercer sua arte, já idoso, devido a uma grave artrite reumatóide que gerou uma deficiência física.

Mesmo com grandes deformidades nas mãos e muitas dores Renoir seguiu pintando. A artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica que pode afetar articulações em todo o corpo.

A causa é desconhecida mas sabe-se que é autoimune. Vírus ou bactérias e a propensão genética parecem fatores de riscos importantes. A doença parece afetar 1% da população mundial, sendo mais comum nas mulheres do que  entre os homens.

Os principais sintomas da doença são as dores, inchaço, rigidez articular e inflamação. Com a progressão da doença os pacientes podem desenvolver incapacidades físicas. A AR é um fator de risco importante para as doenças cardíacas porém a dieta livre de glúten melhora o perfil lipídico, diminuindo o colesterol ruim (LDL) e aumentando os níveis de anticorpos naturais que combatem os sintomas da artrite. A alimentação adequada é muito importante para o alívio destes sintomas e o retardo da progressão da doença.

Pesquisas mostram que os pacientes com artrite reumatóide (AR) que consomem dietas com menos alimentos de origem animal e também menos glúten estão mais protegidos contra doenças cardiovasculares. A dieta baseada em vegetais também é rica em fitoquímicos antiinflamatórios que reduzem a dor. Gengibre e açafrão são dois condimentos antiinflamatórios, baratos e de fácil inserção na dieta, sendo recomendados para maior conforto do paciente.

Suplementos:

A deficiência de vitamina D pode aumentar a incidência de doenças autoimunes e dificultar o tratamento. Exames regulares devem ser solicitados e a carência, quando presente, deve ser corrigida.

Condroitina e glucosamina são dois componentes importantes das cartilagens. Estudos sugerem que a suplementação pode ajudar a diminuir dores articulares por isto é bastante utilizada como suplemento para atletas e no tratamento de artrite. Porém, um estudo dos Estados Unidos apontou que muitos suplementos não conseguem cumprir o que promete, principalmente por conta de fraudes na fabricação. Durante a análise dos produtos foi verificado que alguns continham apenas a metade da condroitina informada no rótulo, enquanto outros continham de 0 a 8%. No Brasil, não existem testes que mostrem o valor real de condroitina e glucosamina nos produtos comercializados.

Kris-Ehterson, Grieger e Etherton (2009) recomendam e altas dosagens de ômega-3 (aproximadamente 3,5 gramas ao dia) para o tratamento da sintomatologia. Considerando-se que 1 porção de peixe oleoso fornece apenas 400 a 500 gramas de ômega-3 a suplementação é recomendada já que este tipo de gordura possui ação antiinflamatória.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!