Você é movido pelo prazer ou pela dor?

As decisões que tomamos na vida são em grande medida guiadas pela necessidade de nos afastarmos da dor ou de alcançarmos o prazer. Pense em uma decisão importante que tomou. O que estava em sua cabeça quando decidiu algo? Queria melhorar sua vida ou a dos outros? Queria fugir de situações desagradáveis? Queria ser apreciado?

Ao longo da vida vamos acumulando experiências. Algumas foram dolorosas e nossa interpretação sobre os acontecimentos reais ou imaginários fizeram com que sentíssemos raiva, frustração, tristeza. Vamos querer sempre nos afastar de situações similares. Outras experiências foram muito agradáveis e nos fizeram mais alegres, gratos, amorosos, energizados. Estas são as experiências que provavelmente ficaremos felizes em reviver.

Nossa interpretação sobre os eventos dependem de nossas crenças, valores, autoconceitos, regras psicológicas, necessidades e metas. Desta forma, algo que pode ser bom para você não é para outras pessoas e vice-versa. Por isto, as decisões de cada um também acabam sendo diferentes. De qualquer forma, cada decisão que tomamos pode causar, em diferentes graus de intensidade:
1. Dor em curto prazo.
2. Prazer em curto prazo.
3. Dor prolongada.
4. Prazer prolongado.

Quanto maior for a intensidade da dor ou do prazer, mais influência ela terá sobre a decisão que uma pessoa está prestes a fazer. Por outro lado, quanto menor a intensidade da dor e do prazer, menor será seu impacto no processo de tomada de decisão.

Vejamos um exemplo, uma pessoa pode querer emagrecer 5 kg. Para alcançar esse objetivo precisará fazer modificações no estilo de vida. As razões de cada pessoa para emagrecer variam. Alguém pode querer:

- Reduzir o colesterol sanguíneo;
- Tratar a esteatose hepática;
- Controlar melhor os níveis de açúcares e triglicerídeos no sangue;
- Reduzir a pressão sanguínea;
- Sentir-se mais saudável ou energizada;
- Sentir-se bem usando determinadas roupas;
- Sentir-se mais confiante em relacionamentos íntimos.

Ao mesmo tempo a pessoa pode pensar que o esforço não valerá a pena, pois produzirá dor:

- "Não gosto de fazer dieta";
- "Não quero passar fome";
- "Odeio fazer atividade física";
- "Não tenho tempo para cozinhar";
- etc;

Assim, a pessoa pensa sobre a decisão e suas consequências e decide não agir mesmo que perder 5 kg signifique melhorias na vida ou mais prazer. A renúncia ao objetivo é feita com base na intensidade da dor percebida pela pessoa. Quando a dor de curto prazo parece maior e mais forte do que o prazer percebido com a mudança, é fácil cair na armadilha de adiar a dieta e o exercício para segunda-feira ou para depois do natal.  

Há também uma chance da pessoa cair na armadilha da gratificação instantânea. É aí que o prazer a curto prazo tem mais influência no seu processo de tomada de decisão do que o prazer a longo prazo ou dor de curto prazo. Em tais casos, a pessoa opta por entrar em algo agradável no curto prazo, a fim de evitar a dor de curto prazo. É por isto que tanta gente larga a dieta após uma ou duas semanas. Se entregam ao prazer imediato (de curto prazo) de comer mais batatas fritas, chocolates, cerveja, fugindo da dor de continuar com a dieta. O problema é que a longo prazo a pessoa pode sentir-se cada vez pior, com menos energia ou com mais dores e outros sintomas que muitas vezes acompanham o excesso de peso.

Para deixar a batata frita de lado, distanciando-se do prazer a curto prazo, é necessário passar por dor de curto prazo (não comer aquilo que se quer). Assim, aproxima-se do prazer a longo prazo, alcançando o objetivo de perder 5 Kg. Ao final, a pessoa se distanciará da dor de longo prazo que é continuar doente ou com o corpo que não quer. Mas como ter motivação suficiente para fazer isso? Como aguentar os períodos de dor de curto prazo para alcançar um objetivo maior no futuro?

Amanhã escreverei sobre o princípio da dor e do sofrimento colocados em prática. Estes princípios aplicam-se a outros desafios da vida e não só à perda de peso.

Trabalho com consultorias, treinamentos e cursos online. Saiba mais aqui.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags