Intoxicação por alumínio

O alumínio é um metal pesado abundante na crosta terrestre. Contudo, não é um metal essencial à vida humana. Pelo contrário, altos níveis plasmáticos de alumínio interferem no aprendizado e aumentam o risco de Alzheimer. 

A intoxicação por alumínio pode ser acompanhada de hiperatividade, inflamação, alterações do metabolismo do cálcio, redução da síntese de vitamina D, comprometimento da fala, convulsões, acúmulo de proteína TAU no cérebro, constipação, cólica e fadiga.

Podemos nos contaminar pelo alumínio pelo uso de antiácidos, vacinas, consumo exagerado de produtos de padaria (que pode entrar na composição de fermentos), cremes dentais, cigarro ou pelo uso de panelas e utensílios de cozinha de alumínio. Chás (como verde, preto e ooloong) também podem estar contaminados por alumínio (Flaten, 2002). Por isto, o consumo de chás, apesar de considerado um hábito saudável, não deve ser exagerado. Também evite comprar chás enlatados já que estes possuem ainda mais alumínio (Veríssimo e Gomes, 2008).

Crianças e gestantes devem limitar o consumo destes chás a uma xícara ao dia. Já adultos podem consumir com segurança até 3 xícaras ao dia. Por outro lado, como pessoas com maior dificuldade de destoxificação ou com insuficiência renal estão sob maior risco de intoxicação.

A curcumina do açafrão parece diminuir a biodisponibilidade do alumínio  (Halim et al., 2011). Tente usar 1 colher de chá de açafrão diariamente na comida.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags ,