Ansiedade: o papel da erva Ashwagandha

Os mecanismos de estresse podem ser benéficos conduzindo-nos à ação. Contudo, o estresse crônico geralmente resulta em declínio na saúde. Assim, o controle do estresse e ansiedade deve ser levado à sério. Praticar exercícios, ouvir música, meditar, entrar em contato com a natureza, dormir e tirar férias são estratégias frequentemente citadas nos estudos para a redução da ansiedade.

Comer bem também é importante. O jejum aumenta o estresse fisiológico e piora o humor. Quando o estresse é grande podem aparecer sintomas como cansaço, redução da memória, distúrbios menstruais, dores de cabeça, musculares ou articulares, insônia e irritabilidade.

Distúrbios mais graves de ansiedade podem ser tratados com antidepressivos, ansiolíticos e betabloqueadores. Mas antes de partir para medicamentos é recomendável tentar alternativas nutricionais. Isto porque os medicamentos vem juntos com uma série de possíveis efeitos colaterais que incluem indisposição, visão desfocada, fadiga, pesadelos, náuseas, tonturas, fraqueza, vertigens e dependência química.

O papel de nutrientes e ervas na redução da ansiedade vem sendo estudado sistematicamente. Já falei anteriormente no blog sobre taurina, inositol, GABA, valeriana, vitamina B6, zinco, cobre, magnésio, ômega-3, fosfatidilserina, kava-kava, lisina, arginina, triptofano, Griffonia simplicifolia, L-teanina, SAME,  e carboidratos complexos.

Hoje trago informações sobre a Withania somnifera, conhecida popularmente n a medicina ayurvedica como Ashwagandha. Apesar da erva ser usada na Índia a centenas de anos apenas recentemente começou a ser investigada clinicamente. É considerada um adaptógeno, tornando a pessoa mais ativa quando está para baixo e menos ativa quando está muito agitada/ansiosa.

Em cinco estudos, no qual a erva foi suplementadas por períodos de 6 a 12 semanas, em quantidades variando de 125 mg a 12.000 mg por dia, mostraram redução na ansiedade. Em geral, recomenda-se cerca de 300 mg/dia. Contudo, a dose deve ser ajustada individualmente por seu nutricionista.

Gestantes, pessoas com úlceras, indivíduos com doenças autoimunes como esclerose múltipla, artrite reumatóide e lúpus não devem fazer uso da erva.

Indivíduos fazendo uso de sedativos ou imunosupressores também não devem utilizar suplementos de Ashagandha.

Leia mais:

+ Suplementos para ansiedade

+ Podcast: triptofano

+ Camomila acalma

+ Alimentação e mau humor

+ Alimentação e depressão

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!