A suplementação de vitamina D é necessária?

O papel da vitamina D na mineralização óssea e na manutenção dos níveis séricos de cálcio é bem conhecido. Além disso, pesquisas das últimas duas décadas descobriram vários outros papeis da vitamina D na regulação de muitas funções celulares. A deficiência é hoje associada a uma série de problemas de saúde como enfraquecimento do sistema imunológico, aumento do risco de certos tipos de câncerobesidade e doenças cardíacas. As disfunções imunes podem aumentar o risco de diabetes tipo 1 e esclerose múltipla. 

Vários fatores aumentam o risco de hipovitaminose D:

  • Baixa exposição ao sol: pessoas que passam pouco tempo na rua ou que estão sempre agasalhadas;
  • Uso do protetor solar: esta medida é importante para a prevenção do câncer de pele porém existe um debate nesta área e alguns pesquisadores acreditam que a maioria das pessoas precisaria se expor por cerca de 15 minutos ao dia, em horários adequados e só depois passar o protetor solar.
  • Localização geográfica e estação do ano: em alguns países a incidência de raios ultravioleta no outono e inverno é baixa reduzindo a produção de vitamina D na pele.
  • Cor da pele: pessoas morenas e negras possuem mais melanina (um bloqueador natural dos raios ultravioletas) e estão sob maior risco de desenvolver deficiência de vitamina D. 
  • Idade: a habilidade de produzir vitamina D cai conforme vamos envelhecendo. 
  • Excesso de gordura corporal: o percentual de gordura elevado está associado a menor produção de vitamina D.
  • Doençasportadores de fibrose cística, doenças do trato gastrintestinal, doenças hematológicas, doenças renais, insuficiência cardíaca e imobilização também estão sob maior risco.
  • Vegetarianos: os alimentos não são boas fontes de vitamina D mas salmão, atum, sardinhas e laticínios fortificados podem fornecer até 100 UI por porção. 

Atualmente, existe um debate acerca da quantidade de vitamina D que precisamos. O Instituto de Medicina dos Estados Unidos recomendou em 2010 um aumento da recomendação e dos valores máximos a serem consumidos (UL). Mesmo assim, alguns pesquisadores dizem que estes valores máximos deveriam ser ampliados em virtude dos benefícios da vitamina D e da segurança da mesma.

Outros pesquisadores não concordam. Evropi Theodoratou publicou em 2014 análise de 268 estudos prévios e concluiu que não existem evidências convincentes para aumentar a recomendação da vitamina. 

Dr. Rajiv Chowdhury, um epidemiologista cardiovascular da Universidade de Cambridge mostrou que apesar da deficiência de vitamina D aumentar a mortalidade em cardiopatas e indivíduos com câncer, ainda não existem evidências consistentes de que a suplementação seria a solução para aumentar a longevidade e a qualidade de vida dos mesmos. Até porque ainda não é certo se a deficiência de vitamina D é responsável por doenças crônicas ou se as doenças crônicas é que levam à deficiência de vitamina D.

Quem deve suplementar?

Em geral, o rastreamento (exame de sangue) é recomendado para indivíduos com história familiar osteoporoses, mulheres brancas e magras na perimenopausa ou menopausa, indivíduos negros, pessoas que tiveram fraturas após os 50 anos, qualquer pessoa que esteja tomando medicamentos que levam à perda de massa óssea, como corticosteróides, indivíduos com doenças autoimunes e aqueles que nunca se expõe ao sol.

Dollarphotoclub_43531603.jpg

Como suplementar?

A vitamina D3 (colecalciferol) é a forma preferencial já que é 3 a 4 vezes mais potente que a vitamina D2 (ergocalciferol). As doses variam de pessoa para pessoa, por isto consulte seu nutricionista. 

Em geral, 100 UI/dia de vitamina D3 resultam em um aumento de 2,5 nmol/L (1ng/mL) no plasma (Heaney, 2007). Suplementando-se 1.000 UI de vitamina D3 por 3 meses há um aumento de cerca de 70 nmol/L (28 ng/mL) normalizando níveis previamente baixos (Vieth, Chan, & MacFarlane, 2001).

Mais sobre a vitamina D:

Valores normais e aceitáveis no sangue

Deficiência de vitamina D aumenta gordura abdominal

Vitamina D é fundamental para o cérebro

Papel da vitamina D na gestação

Carência de vitamina D e doenças autoimunes

Deficiência de vitamina D, Parkinson e Alzheimer

Vitamina D na prevenção do câncer de endométrio

Baixo consumo de vitamina D aumenta mortalidade

Deficiência de vitamina D e doenças cardiovasculares

Quantidade de vitamina D produzida com banhos de sol

Vitamina D e asma

Vitamina D e prevenção do autismo

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar este blog.