Disfunção mitocondrial, ganho de peso, resistência à insulina e esteatose hepática

A mitocôndria é a organela responsável pela respiração celular. Em suas membranas encontram-se enzimas responsáveis pela transformação da glicose, ácidos graxos e aminoácidos em energia.  Uma alimentação saudável é fundamental para fornecer nutrientes que protegem as mitocôndrias: vitaminas do complexo B, Zn, Cu, Mn, ácidos graxos ômega-3, ácido lipóico, cisteína (NAC), lisina e metionina (L-carnitina), dentre outros.

Todas as células são afetadas pela disfunção mitocondrial, sendo que as ficam mais comprometidas são aquelas mais dependentes de energia como o músculo cardíaco, o fígado e o tecido adiposo. Nossas células adiposas recebem mensagens do ambiente e coordenam a função das mitocôndrias, seja para estocar mais gordura, seja para queimá-las, liberando energia. Estudo de Tormos e colaboradores (2011) confirmou que a produção de radicais livres pelas mitocôndrias leva à diferenciação adipocitária por mecanismos dependentes do mTORC-1. Assim, o consumo adequado de alimentos ricos em antioxidantes diminuiria a formação de novas células de gordura. Uma das hipóteses é que o peróxido de hidrogênio (H2O2) ativaria o fator de transcrição PPARy dando início à cascata de produção de gordura.

A produção de radicais livres de forma moderada é importante para que a célula  regule seu metabolismo, porém em excesso leva ao dano celular e mitocondrial. Causas da produção excessiva de radicais livres, gerando dano mitocondrial incluem consumo calórico excessivo, fatores genéticos, envelhecimento, processos proinflamatórios, estresse do retículo endoplasmático, outra organela celular, envolvida por exemplo na síntese lipídica. Ao nível celular, desordens mitocondriais levam ao aumento de desordens no metabolismo de carboidratos e lipídios, o que aumenta o risco de diabetes e esteatose hepática. Os próprios radicais livres podem ainda inibir o consumo de oxigênio nos adipócitos aumentando ainda mais o acúmulo de gordura.

A prescrição cuidadosa de nutrientes antioxidantes, como vitamina E, vitamina C, N-acetilcisteína, glutationa, ácido alfa-lipóico ou coenzima Q10 podem melhorar a biogênese mitocondrial e contribuir para o tratamento do ganho de peso, da resistência à insulina e da esteatose hepática. São também benéficos durante o tratamento, a restrição calórica e a atividade física, que estimula a capacidade respiratória da mitôcondria muscular.

Referências:

Tormos, K.V. et al. (2011) Mitochondrial complex III ROS regulate adipocyte differentiation. Cell Metab. 14, 537–544

Kusminski, C.M.; Scherer, P. E. (2012). Mitochondrial dysfunction in white adipose tissue. Trends in Endocrinology and Metabolism. In Press.

Artigo recomendado:

Lustig (2013). Fructose: it's "alcohol without the buzz". Advances in Nutrition. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3649103/

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!