Alimentação saudável para reduzir o risco de diabetes

O Brasil é o segundo país em número de diabéticos no mundo, atrás apenas do México!! Os fatores de risco para o diabetes tipo 2 incluem o sedentarismo, o excesso de gordura corporal, idade maior que 45 anos, altas taxas de triglicerídeos, hipertensão e consumo elevado de álcool.

De acordo com estudo epidemiológico realizado com 300.000 pessoas, acompanhadas desde a década de 70 e publicado em 2001, a ingestão de 100 gramas de carne vermelha por dia aumenta o risco de diabetes tipo 2 em 19%. Já as carnes processadas, como salame e mortadela, foram consideradas mais prejudiciais: 50 g diários (uma salsicha) podem elevar o risco de diabetes em 51%. Uma das explicações possíveis é que o ferro-heme presente nestes alimentos causa danos às células beta do pâncreas, que produzem a insulina. Além disso, o ferro acumulado induz a hemocromatose que pode lesar o pâncreas. Os pesquisadores dizem ainda que os aditivos quimicos (especialmente os nitratos) presentes nas carnes são tóxicos para as células beta. O aumento do estresse oxidativo relacionado ao excesso de ferro, se dá em decorrência das reações de Fenton (veja artigo de 2012 clicando nos links). Além disso carnes (assim como laticínios e suplementos como BCAA a whey protein) tem um alto conteúdo de leucina, o qual contribui para um estímulo exagerado da secreção de insulina via mTORC1 e S6K1, a qual induz a resistência insulínica.

Esse estresse oxidativo agrava a resistência à insulina. É uma via de mão dupla. O diabetes também agrava o estresse oxidativo pela glicação de enzimas antioxidantes como a Zn-Cu-Superoxido Dismutase. Portanto, um estilo de vida saudável é fundamental (sono regular, alimentação balanceada, atividade física orientada). Depender de medicamentos, por exemplo, é uma furada. O hipoglicemiante Avandia, por exemplo, aumenta o risco de DCV em até 39%. No Brasil este medicamento foi suspenso pela ANVISA mas os demais não estão livres de efeitos colaterais... E não são apenas os medicamentos os vilões. Os adoçantes entram nesta lista. O consumo de refrigerantes diet, zero, light etc aumentam o declínio renal e a albuminúria. Pro diabetico que já tem um risco aumentado de complicações renais o problema é ainda maior!

Fiquem atentos também ao uso indiscriminado de melatonina. Tudo bem, a substância é antioxidante, mas suplementação em excesso também tem sido ligada ao maior risco de DM2, em indivíduos com polimorfismos do gene MTNR1B.

E o refrigerante normal? Possui um excesso de frutose, o qual está associado à diminuição da sensibilidade à insulina. Frutose em excesso, vinda dos alimentos industrializados induz ainda à hiperuricemia e hipertensão. Veja aulinha aqui.

E os alimentos do bem, será que existem? Sim, alimentos e suplementos antidiabetogênicos incluem o açafrão, ginseng, Gymnema silvestre, romã, hesperidina, chá verde, chá preto, chá oolong, chá de folha de goiabeira, entre outros. Converse com o seu nutricionista.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!