Fome de quê?

A fome é o nome da sensação primitiva, fisiológica e confiável, por meio do qual nosso organismo percebe que o alimento é necessário. O mecanismo de fome é essencial para que os nutrientes necessários à vida cheguem ao organismo. Porém, a maioria das pessoas não come apenas para saciar a fome.  A comida é importante forma de socialização em nossa sociedade, além disso muitos comem por frustração, tristeza, hábito ou por terem perdido a capacidade de identificar as sensações de fome e saciedade. No geral, o comportamento alimentar dos indivíduos pode ser dividido de três formas:

- Comedores instintivos: são as pessoas que comem quando tem fome e que param de comer quando já estão saciados. Crianças são, em sua maioria, comedores instintivos, sendo quase impossível faze-las comer quando não tem fome e acalmá-las quando estão com fome. Porém, várias influências colaboram para que aprendamos a ignorar os sinais de fome e saciedade. Alguns pais e familiares forçarão a criança a comer mais do que deve ou precisa. Também aprendemos ao longo da vida a comer em resposta ao ambiente ou às emoções.

- Comedores compulsivos: são as pessoas que comem demais. Estas pessoas nem sempre comem pela razão certa (fome) mas sim por tédio, tristeza, solidão, estresse, prazer... Além disso, os comedores compulsivos geralmente optam por alimentos que trarão conforto (como os açúcarados ou gordurosos) e não necessariamente por alimentos que irão nutrir o organismo. O ato de comer também pode ser bastante automatizado, rápido ou pouco consciente (em frente à TV ou computador, por exemplo). Tais hábitos podem levar ao ganho excessivo de peso ou mesmo à má nutrição, em decorrência do excesso de determinados nutrientes em detrimento de outros igualmente importantes. Aqui a pessoa parece fora de controle.

- Comedores restritivos: são os que mantém o peso as custas de muito sacrifício e restrições. Regras ditadas pela própria pessoa ou por algum profissional de saúde podem guiar o indivíduo, que pode se sentir culpado ao sair da dieta. Outros tendem a fazer mais e mais atividades físicas afim de compensar o excesso de alimentos. Aqui a pessoa é, ao contrário do comedor compulsivo, extremamente controladora. Ao longo de dias, semanas ou meses de restrição, o indivíduo pode começar a se sentir cansado, sem energia ou motivação. Por isto, é comum em pessoas que fazem dietas alternarem compulsão e restrição.

Aprender a comer de forma instintiva é portanto fundamental. Se pergunte antes de comer sua torta, bolo, pizza ou sanduíche de hoje: "Estou com fome?" Esta pergunta é mais importante do que contar calorias, gramas ou pontos. Escolher bem os alimentos e se exercitar de forma moderada é importante para o adequado funcionamento do organismo, para a manutenção da massa muscular e para o perfeito metabolismo, porém sem aprender a ouvir o corpo entramos em um ciclo vicioso que não favorece a saúde. Ame seu corpo, consuma alimentos que favoreçam seu funcionamento, saúde e beleza,

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!