Cólicas nos bebês

As cólicas acontecem em até 40% dos bebês (Hall, Chesters, & Robinson, 2012). Caracterizam-se por irritabilidade e choro inexplicável ou inconsolável por mais de 2 horas por dia, pelo menos 3 vezes por semana, levando os pais correndo aos pediatras (Lacovou et al., 2012).

As cólicas geralmente iniciam-se nas primeiras duas a três semanas de vida e desaparecem ao final do terceiro mês de vida. As causas incluem a imaturidade intestinal do recém nascido, alergia à proteína do leite de vaca (por isto amamentar é muito importante), estresse materno, pega errada da mama, fazendo com que a criança engula muito ar, aspectos relativos ao próprio temperamento do bebê, predisposição genética ou ingestão materna de alimentos que causam gases.

Apesar de ser uma situação normal deve ser tratada com seriedade pois contribui para a ansiedade dos pais, depressão pós-parto e descontinuidade do aleitamento materno (Oberklaid, 2001). O bebê chora pois tem dor, o que não é fácil ou agradável (Shamir et al., 2013Zisk, 2003).

Estudo muito interessante mostrou que o óleo de menta parece mais eficiente para a redução de cólicas dos bebês do que vários medicamentos comumente prescritos pelos pediatras (Alves, Brito e Cavalcanti, 2012), tais quais a simeticona (Lucassen et al., 1998). Mesmo assim o óleo de menta ainda precisa ser mais investigado pois pode causar problemas respiratórios em crianças pequenas (Charrois et al., 2006). O que fazer, já que nem colocar o bebê para arrotar é garantia de menos cólicas (Kaur, Bartir e Saini, 2015)?

Uma das formas é mudar a dieta da mãe visto que algumas substâncias consumidas podem passar para o leite materno. Dentre os alimentos mais estudados estão o leite e seus derivados (Lucassen et al., 1998, Sopo et al., 2014), o chocolate, o amendoim e outras oleaginosas, o café, o refrigerante, as frutas cítricas e o peixe. A eliminação ou diminuição destes alimentos é importante pelo menos nos 3 primeiros meses de vida do bebê. Mas mais importante é a paciência até que a maturidade gastrointestinal seja adquirida.

Enquanto as cólicas persistirem é importante que a criança seja confortada por outro adulto sem ser a mãe. Quando é a mãe quem pega o bebê ele instintivamente vai querer mamar. Por isto outro adulto deve segurar o bebê de pé apoiado no ombro. O bebê deve estar bem aquecido o que faz também com que se acalme mais rapidamente. Massagens também podem aliviar. Se você é expert em cólicas deixe aqui sua dica para as outras mamães!

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!