Os riscos do consumo de répteis

Conheço pessoas que adoram carnes exóticas e aproveitam viagens para experimentar de tudo: tartarugas, crocodilos, cobras, lagartos, iguanas e por aí vai... Mas cuidado: estudo publicado no International Journal of Food Microbiology mostra que o risco de contrair doenças como triquinose, pentastomiase, gnatostomiase e esparganose é grande. Existe também o risco microbiológico devido a possível presença de bactérias patogênicas como Salmonella, Shigella, Escherichia coli, Yersinia enterolitica, Campylobacter, Clostridium e Staphylococcus aureus, que podem causar doenças com graus variados de severidade. Como os animais muitas vezes são abatidos na natureza não espere que os mesmos tenham sido tratados com antibióticos ou outros medicamentos. Como existem poucos artigos publicados sobre o consumo de carnes exóticas e a contaminação por estes agentes, a Organização Mundial de Saúde não consegue precisar o número de casos no mundo, até porque o consumo é maior em regiões remotas do planeta. De qualquer forma, os especialistas recomendam que a carne seja sempre congelada para o transporte e sempre, sempre bem cozida afim de reduzir a quantidade de patógenos no alimento.

Para saber mais: Magnino et al. Biological risks associated with consumption of reptile products. International Journal of Food Microbiology, 2009; 134 (3): 163.
Fonte da imagem: http://www.wormsandgermsblog.com/uploads/image/Meat%20Question.jpg
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!