Construindo uma boa relação com os alimentos

As crianças estão em um processo de constante aprendizado. Para que as mesmas desenvolvam uma relação saudável com a alimentação evite dizer as seguintes frases:

1. “Não brinque com sua comida”

As crianças ouvem desde pequenos para não fazerem bagunça, não se sujarem, não espalharem ou brincarem com a comida. Assim a comida passa a ser vista como um assunto sério e a criatividade vai sendo minada. As crianças não devem ser malcriadas à mesa, mas seriedade em excesso fará com que suas vidas seja menos interessante.

2. “Se não comer tudo, ficará sem a sobremesa”

Comer passa a ser uma meta e não um prazer ou uma necessidade. Além disso, a sobremesa passa a ser o bom e todo o resto o ruim. Se você ainda não se acostumou a essa idéia, simplesmente não tenha sobremesa para ninguém, deixando as guloseimas para outro horário, em dias específicos ou ocasiões especiais.

3. “Raspe o prato! Não sabia que tem um monte de gente no mundo passando fome?

As crianças devem ser estimuladas a se alimentar bem porém comer sem ter fome faz com que elas deixem de perceber seus limites e se acostumem a comer mais do que deveriam ou precisam. Há, e a culpa... Este não é um sentimento legal de colocar nos seus filhos. Tudo bem, não devemos disperdiçar comida ou sermos gananciosos mas as crianças não devem se sentir culpadas. Devem, ao contrária, receber uma educação sensível, os pais devem ser exemplos de amor e tolerância. Além disso, cultive a consciência ambiental em sua casa. Compre menos alimentos industrializados e mais alimentos naturais produzidos preferencialmente por agricultores locais. Se você mora nas cidades as crianças acabam não tendo oportunidade de ver como os alimentos são produzidos, como é trabalhoso, como é importante. Visite com elas estas comunidades agrícolas. Eles adorarão estar em contato com a natureza, com as plantas e bichos.

4. “Sem palhaçada na mesa!”

Crianças adoram rir e fazer gracinhas. Porém será que não estamos programando as crianças para serem sérias demais ao não permitir que riam à mesa, na sala de aula, na igreja e em vários outros lugares? O horário das refeições deve ser prazeroso, um horário para suprir as necessidades nutricionais e também emocionais, para estar junto dos pais e irmãos de forma agradável. Se a criança percebe o horário das refeições como uma hora feliz, comerá melhor do que aquelas crianças que acham a hora de ir à mesa um terror.

5. “Está triste/doente? Aqui está seu doce favorito ou... Se for bonzinho ganha um chocolate”

Não tape carências ou outras necessidades com alimentos. Se fizer isso a criança passará a vida compensando todas as frustrações com a comida.

Fonte da imagem: http://www.britishcheese.com/userfiles/image/child___mum_small.JPG

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar este blog.