Batata frita: a pesquisa

Um novo estudo publicado na edição online de março/2009 do American Journal of Clinical Nutrition por pesquisadores poloneses confirma que a acrilamida dos alimentos fritos aumenta o risco de doenças do coração. O composto também já foi ligado por outros pesquisadores à desordens nervosas e ao câncer. Os participantes do estudo ingeriram batatas fritas diariamente por 4 semanas (com aproximadamente 157 microgramas de acrilamida). Após este período foi observado um aumento do LDL oxidado, marcadores inflamatórios e antioxidantes, que ao mesmo tempo em que ajudam na eliminação do composto, aumentam o risco cardiovascular.

Você pode até protestar dizendo que não consome batata frita diariamente, porém lembre-se que bife, bolinho de bacalhau, mandioca frita, churrasco dentre outros alimentos também fornecem o indesejável componente. Apesar de a média de ingestão ficar entre 20 e 30 microgramas diários os efeitos a longo prazo são os mesmos do estudo de curto prazo com quantidades maiores. Por isto, outras pesquisas com certeza aparecerão afim de estudar o impacto da dieta habitual na saúde do coração porém continue evitando alimentos industrializados e fritos. e aumentando o consumo de frutas, verduras, cereais integrais. Há, também é essencial parar de fumar visto que o tabagismo é a principal fonte de acrilamida.

Referência: Naruszewicz et al. Chronic intake of potato chips in humans increases the production of reactive oxygen radicals by leukocytes and increases plasma C-reactive protein: a pilot study. American Journal of Clinical Nutrition, 2009.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!