Magrinhos também podem ter risco cardiovascular aumentado

Você já sabe que quanto maior é a quantidade de gordura corpórea maior é o risco cardiovascular e de doenças metabólicas. Porém, não é só isso: o local onde a gordura está distribuída é de grande importância. uanto maior é a quantidade de gordura depositada entre os órgãos e entre os músculos (gordura não-subcutânea) maior é a calcificação e o endurecimento das placas aterogênicas. A hipótese dos pesquisadores é que este tipo de gordura é diferente da gordura que depositamos abaixo da pele (gordura subcutânea). Gordura depositada ao redor do coração, por exemplo, libera citocinas inflamatórias e ácidos graxos livres na corrente sanguínea levando a uma disfunção arterial, que dá início ao processo aterosclerótico, mesmo em indivíduos magros já que estes também podem ter um excesso de gordura não-subcutânea. Os resultados deste estudo aparece na edição deste mês (setembro/2008) do American Journal of Clinical Nutrition, uma publicação da Sociedade Americana de Nutrição.

Pesquisadores: Jingzhong Ding, Stephen B. Kritchevsky, Fang-Chi Hsu, Gregory L. Burke, M.D., J. Jeffrey Carr, Tamara B. Harris, Robert C. Detrano, Moyses Szklo, Michael H. Criqui, Matthew Allison, Pamela Ouyang, Elizabeth R. Brown.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!