O controle do estresse pode auxiliar no combate de doenças autoimunes como o lupus

O lupus é uma doença autoimune que produz anticorpos que causam prejuízos às células e tecidos do hospedeiro. Esta doença que afeta mais de 5 milhões de pessoas em todo o mundo é mais freqüentemente encontrada em mulheres entre as idades de 15 e 44 anos.

Um estudo conduzido pelo departamento de medicina da Universidade de Granada determinou que o estresse diário (que ocorrem em situações de pouca importância porém com grande frequência) podem exacerbar os sintomas da doença. Em outras palavras, o controle dos níveis de estresse é fundamental para aqueles que sofrem de seus efeitos negativos como ganho de peso inexplicável, sensação de cansaço, febre, dores e inflamações nas juntas.

Nesta pesquisa, conduzida pelo Dr. Nuria Navarrete Navarrete, Juan Jiménez Alonso e María Isabel Peralta Ramírez, o objetivo foi checar os efeitos do estresse no tratamento dos pacientes sofrendo de lupus. Um time de psicólogos da Universidade de Granada, no Canadá, aplicaram terapia para combater o estresse em um grupo de 45 pacientes com a doença. Os resultados demonstraram que os pacientes que participaram do grupo reduziram os níveis de estresse significativamente, assim como os sintomas de ansiedade e depressão, atingindo níveis mais baixos do que os da população em geral. Além disso, sua qualidade de vida nos níveis físico e psicológicos foi melhorada e apresentaram menos sintomas na pele, nos músculos e esqueleto.

A pesquisadora Nuria Navarrete todos os pacientes que tem doenças crônicas, como diabetes, câncer e AIDS deveriam ter acompanhamento psicológico afim de combater o estresse, melhorando seu prognóstico e tendo efeitos mais positivos quando associado ao tratamento farmacológico e dietético.

Parte dos resultados deste estudo foram publicados no “Psychosomatic Medicine” e na “Revista Clínica Española”.

Está precisando de ajuda? Marque uma sessão de coaching enviando uma mensagem! 

Artigo recomendado:

Aschbacher et al., (2014). Chronic Stress Increases Vulnerability to Diet-Related Abdominal Fat, Oxidative Stress, and Metabolic Risk. Psychoneuroendocrinology. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4104274/

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar este blog.