Comer sem engordar? Só funciona para 13% das pessoas!

Um dos estudos mais interessantes na área de nutrição, deste início de ano, é a pesquisa da Tufts University, publicado no Journal of Molecular Medicine. Neste estudo, os pesquisadores analisaram como os carboidratos, as proteínas e as gorduras interagem com genes que afetam o Índice de Massa Corpórea (IMC) e aumentam o risco de obesidade.
Foram analisadas variações genéticas (polimorfismos) do gene da apolipoproteína A5 (APOA5), envolvida no metabolismo das gorduras em nosso corpo. Para 13% dos indivíduos analisados o consumo de gordura não foi significativamente associado com o IMC ou com o risco de obesidade.

Os pesquisadores conseguiram identificar uma interação entre o APOA5 e as gorduras, porém o mesmo não foi observado entre não entre o gene e o consumo de carboidratos ou proteínas. Explicando: para a maioria das pessoas do estudo um maior consumo de gorduras foi relacionado com um ganho de peso, resultando em um maior IMC. Porém para pessoas com um tipo específico de gene (-1131T>C), o consumo de gordura não alterou a massa corpórea. Este mesmo gene não parece proteger consumidores de grandes quantidades de proteína e carboidratos contra a obesidade. Interessante também ressaltar que este gene protege principalmente os indivíduos que consumiam quantidades maiores de gorduras monoinsaturadas (MUFAS), presentes no óleo de canola e de oliva. Apesar dos achados, os autores não sugerem que estes indivíduos possam aumentar o consumo de gorduras já que os mesmo podem contribuir para outras doenças, mesmo sem o ganho de peso. Esta interação benéfica entre MUFAS e o gene pode explicar eventualmente porque seguidores da dieta mediterrânea são geralmente mais magros do que os adeptos das dietas ocidentais.

Porém, é importante salientar que, mesmo indivíduos com o gene específico (-1131T>C), podem tornar-se obesos já que apesar de não serem sensíveis ao consumo extras de lipídios, um consumo extra de calorias vindas de outras fontes (carboidratos e proteínas) pode contribuir para o ganho de peso. Além disso, uma vez obesas essas pessoas podem ter dificuldades para emagrecer uma vez que o corte de gorduras na dieta pode também não modificar o IMC.

O achado desta pesquisa também é muito importante já que, no futuro, poderá ajudar na identificação de indivíduos com maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, o que facilitaria as estratégias de prevenção.

Para saber mais: Corella D, Lai C-Q, Demissie S, Cupples LA, Manning AK, Tucker KL, Ordovas JM. APOA5 gene variation modulates the effects of dietary fat intake on body mass index and obesity risk in the Framingham Heart Study. Journal of Molecular Medicine. 2007 (February); 85(2): 119-128.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!